Vulcão na Indonésia entra em atividade e faz 25 mil pessoas deixarem a região

Cerca de 20 voos que tinham Bali como destino ou origem foram cancelados; coluna de cinzas e fumaça já chegam a mais de quatro mil metros de altura

O governo da Indonésia emitiu ontemdomingo (26) um "alerta vermelho" para a ilha deBalipor conta daatividadedo vulcão Agung. De acordo com as autoridades locais, uma coluna de cinzas e fumaça já atinge quatro mil metros de altura e uma erupção é esperada a qualquer momento.Segundo a agência de notíciasEFE, aproximadamente 20 voos com destino ou origem na cidade foram cancelados, deixando mais de duas mil pessoas nos aeroportos.

A decisão de cancelar os voos foi tomadapelo temor das cinzasafetarem as aeronaves de alguma forma.O aeroporto de Bali, no entanto, ainda está aberto. Segundo as autoridades,a ilha ainda é segura e osdemais aeroportos funcionam normalmente. "O turismo em Bali ainda é seguro, exceto na zona de perigo ao redor dovulcão Agung", disse, em nota, a Agência de Atenuação de Desastres da Indonésia.

As pessoas localizadas a um raio de 7,5 km receberam a determinaçãode evacuarem a área, segundo aBBC. Com a ordem, estima-se quecerca de 25 mil pessoas tenham deixado suas casas e procurado abrigo em estruturas montadas pelo governo. Esta é a segunda vez que o Agung entra em atividade apenas nesta semana. Na terça-feira (21), a atividade causou nuvens de cinzas em proporções menores.

Em setembro, a atividade sísmica do Agung fez com que mais de 100 mil pessoas tivessem que deixar suas residências.De acordo comprojeções oficiais do governo, a evacuação fez a ilha perder cerca de US$ 110 milhões (aproximadamente R$ 355 milhões) que seriam arrecadados em turismo. Ovulcão, no entanto, está localizado ao leste de Bale, longe das principais atrações turísticas de Bali.

A última vez que o vulcão entrou em erupção foi em 1963. Na ocasião, a atividade causou mais de mil mortes no local. A Indonésia está em uma região conhecida como "Anel de Fogo do Pacífico". Com cerca de 130 vulcões, a área registra colisões de placas tectônicas e atividades sísmicascom frequência acima do comum.

?* Com informações da Ansa.

Link deste artigo:http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-

Deixe um comentário