O que a falta de liderança faz com o Brasil

Carne Fresca

As organizações, e as do agronegócio brasileiro da carne não fogem à regra, são formadas por pessoas.Sejam essas empresas públicas ou privadas, o comportamento oportunista de seus acionistas ou colaboradores pode colocar em xeque toda uma reputação construída ao longo de muitos anos.É incontestável a competitividade do Brasil como fornecedor global de proteína de origem animal de qualidade.

 

A falta de ética praticada pelas pessoas é um fenômeno também encontrado no mundo corporativo, cujos mecanismos dissuasórios e punitivos têm-se revelado insuficientes.A função controle na administração é cara e não garante 100% de eficácia.Ora, como garantir a fiscalização e a segurança dum alimento num contexto de corrupção endêmica no País, por mais robusta que essa agroindústria possa ser?

 

Escândalos, como o deflagrado pela operação Carne Fraca, da Polícia Federal do Brasil, sempre acontecerão enquanto a atratividade dos incentivos para a ilicitude superar o medo das sanções decorrentes da sua prática.Uma minoria de agentes do MAPA, da BRF e da JBS agiu em conluio, acreditando na impunidade e prejudicando a boa imagem que o setor desfruta nacional e internacionalmente, graças ao trabalho sério e honesto da grande maioria dos agentes do agronegócio da carne brasileiro.

 

Além das devidas penalizações que a Justiça haverá de aplicar, um caminho longo, porém eficaz, que pode ser percorrido tanto pelas empresas públicas como pelas privadas, é trabalhar a liderança das suas pessoas, fazendo proprietários e funcionários, sem exceção, praticarem a empatia, procurando sempre se colocar no lugar do consumidor final a cada ação que intencionarem empreender.

 

Processos seletivos em que a variável caráter, além de outros quesitos importantes, tenha preponderância na escolha de quem deverá ser contratado, terá poder de decisão e a quem se fornecerá crédito subsidiado via banco de fomento, por exemplo, pode constituir-se numa ferramenta mitigadora do risco da corrupção.A legislação trabalhista e a área de RH nas organizações vão precisar passar por uma radical mudança de paradigma.

 

Certamente, o setor da carne se recuperará do inferno astral momentâneo, entretanto com algumas sequelas mais duradouras, como prejuízos à imagem da carne sustentável brasileira.Contudo, essa crise cumprirá uma missão importante, a de fazer o meio ficar mais alerta e precavido contra o oportunismo.O mundo pode continuar a confiar na carne do Brasil.

 

Waldir Barros Fernandes Jr., Ph.D. (Food and Resource Economics, University of Florida), é professor do Departamento de Economia, Administração e Educação da Unesp de Jaboticabal.

Pármenas Alt27,640 Postagens

A estrada é longa e o tempo é curto. Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as consequências destas ações.

Deixe um comentário